Instaltec Tecnologia em Instalações
  • compromisso
    com a qualidade,

    responsabilidade
    e satisfação

    plena dos clientes

  • Aliando a

    Tecnologia,

    Furukawa e a

    Garantia TIA/ISO

    de Qualidade

    pode ficar

    tranquilo

    sua empresa está

    em boas mãos

  • redes projetadas de

    forma personalizada

    para cada situação.

    a instaltec

    oferece suporte

    a toda as suas

    necessidades

    em redes de

    computadores

novidades

Página Inicial / Novidades / 2016 /
Pesquisadores estão treinando computadores para entender dialetos

Pesquisadores estão treinando computadores para entender dialetos

10 de Novembro de 2016

As máquinas frequentemente são menos hábeis em entender outros dialetos, como algumas variações do inglês originadas em alguns países da África, por exemplo. Agora, pesquisadores estão treinando a Inteligência Artificial (AI) de computadores para reconhecer e utilizar esses dialetos originados das línguas tradicionais.

A razão lógica do porquê os computadores serem piores em entender algumas dessas variações do idioma é que os cientistas que vêm trabalhando há mais de 30 anos nessa tarefa de ensinar os computadores a ler normalmente utilizam fontes imediatas de textos e informações, como jornais e revistas. Esse tipo de linguagem formal originou um processamento de linguagem natural (NLP) com menor capacidade para a compreensão da linguagem que não esteja em conformidade com um tipo muito específico.

"Se você pensar que a mídia tradicional já existe há um bom tempo, como livros e jornais, você se dá conta de que está vendo uma linguagem bastante padronizada, associada a uma educação de elite e seus costumes", afirma Brendan O´Connor, pesquisador de NLP da Universidade de Massachusetts. "Isso não é um caso específico do inglês, é possível perceber em todas as línguas do mundo", completa.

Como O'Connor já percebeu, esse não precisa mais ser o caso. A internet, e particularmente as mídias sociais, construiu um grande fluxo de informações de diferentes formas de linguagem passíveis de serem usadas em um próximo ciclo de aprendizado de sistemas computacionais. Em seu mais novo artigo, o cientista e sua equipe criaram o maior banco de dados para estudar o inglês de origem africana com mais de 59 milhões de tweets enviados por mais de 2,8 milhões de pessoas.

Com o experimento, eles provaram que um computador com sua AI treinada adequadamente consegue lidar com diferentes formas de dialeto de uma língua específica. Segundo o pesquisador, o próximo passo será desenvolver um sistema capaz de analisar com profundidade as sentenças escritas em diferentes dialetos provenientes do inglês, e completa dizendo que abraçar a diversidade linguística é algo que deverá ser o foco dos seus trabalhos.

Via canaltech.com.br